terça-feira, 4 de outubro de 2011

Mais uma dica valiosa!


Quando não estou escrevendo e trocando ideias valiosas com meus queridos leitores, gosto de procurar artigos, dicas e experiências pelo vasto mundo da internet. Assim, além de conhecer outros amigos de profissão, ainda aprendo muito. Por esse motivo, vou compartilhar com vocês um artigo muito interessante publicado no site da Scostt Publishing


Espero que os novos escritores desfrutem tanto quanto eu!

Mostre, não conte.

"Onde quer que vá,conferências de escritores, feiras, salas de aula da faculdade, grupos de escritores ouvem esta máxima da escrita. “Mostrar” é geralmente considerado como o uso de detalhes vívidos e que envolvem os sentidos. Portanto, pinte um retrato brilhante descritivo para os leitores: a riqueza de uma paisagem, o choque de uma decepção em um novo casamento, os fogos de artifício de raiva ou ódio entre os personagens A e B. “Contar” é geralmente considerado como a ausência de narrativa detalhista insípida. Só serve para explicar o que está acontecendo na história: quem está se relacionando com quem, onde a cidade está localizada, como o personagem C ganhou um apelido, e assim por diante. 

Nenhuma dessas caracterizações está totalmente correta. “Mostre, não conte” é uma diretriz e não uma regra. “Mostrar” pode na verdade revelar o personagem e a trama de uma forma dinâmica. No entanto, “Contar” muitas vezes pode fazer a mesma coisa, desde que você encontre as palavras certas. Mostrando e Contando são igualmente técnicas descritivas poderosas e importantes. Antes de explorar as suas possibilidades, vamos rever as suas diferenças.

Qual é a diferença?

Mostrar e Contar são o coração e a alma da descrição, mas muitos escritores inexperientes têm dificuldade em discernir a diferença entre eles. O exemplo a seguir deve dar-lhe uma boa idéia de como essas técnicas são diferentes. Imagine que você tenha criado um personagem pouco timida chamada Alice, a quem você apresentar através da técnica de “dizer”:

Versão-um de CONTAR: Alice era uma jovem tímida que parecia um rato. Ela foi baixa e magra, com cabelos castanhos, olhos pequenos e um rosto pontiagudo. Ela sempre espiava porta adentro antes de entrar em uma festa, dando-se a chance de fugir, caso ela não visse ninguém que conhecia.

Agora tente esta introdução novamente, desta vez utilizando a técnica de “mostrar”:
Versão dois Mostrando: Alice pairou na porta do apartamento de Ronaldo, queixo levantado, pés minúsculos equilibrada em seus dedos. Ela olhou para dentro, diminuindo a intensidade do som novo de Ronaldo. Ela respirava rapidamente, seus olhos negros corriam para trás e para frente, como se para manter seu rosto em movimentos pudesse impedir que ela caisse. Quando ela finalmente viu Ronaldo sorrindo se aproximando, ela correu para a taça de Punch e seus sapatos baixos fazendo um som de arranhar a madeira polida.

Na versão Um, você diz aos leitores que Alice parece e age como um rato; na versão dois, você a mostra em atitude de um camundongo: olhos negros, rosto tremendo na ponta dos pés, som de sapato se arrastando no assoalho.

Cada versão é bastante útil, mas cada um também vem com problemas em potencial. Na versão Um, a descrição de Alice é precisa, mas superficial: tímida, cabelos curtos e castanhos, olhos pequenos. A passagem nos induz a imagem de “espreitar” atrás da porta, em seguida, perde o folego novamente com uma explicação lenta: “dando-lhe uma chance de fugir…” Os leitores não podem realmente “ver” Alice aqui. Você está fazendo uma pausa para dizer-lhes algo sobre Alice para que a próxima parte da história faça mais sentido. Quando finalmente Alice entra na festa e se esconde atrás de um vaso de plantas, os leitores entendem porque ela está fazendo isso: ela é tímida como um camundongo. Esta explicação é boa, por enquanto. Você não cometeu necessariamente um erro ao “contar” aos leitores como Alice se parece. Mas se as descrições subseqüentes tomam a mesma forma (Reginaldo era alto e triste e parecia um ganso; Evelyn parecia uma galinha depenada e tinha um temperamento para combinar), sua prosa vai começar a parecer plana e expositiva. Você está explicando muito na frente, ao invés de deixar os personagens se revelam através de suas palavras e ações. Os leitores vão se sentir como se estivessem assistindo personagens em uma tela, ou folheando fotografias de personagens, ao invés de entrar na história e habitar o mundo dos personagens.

Na versão Dois, por outro lado, você permite que os leitores entrem no mundo de Alice. Podemos sentir o nervosismo dela por causa do movimento e do som na descrição: ela fica na ponta do pés, paira,arranha o assoalho e se encolhe. Novamente, não há nada de errado com essa passagem. Na verdade, ela retrata tão vividamente Alice que podemos facilmente imaginar-nos na porta da festa com ela. Mas cuidado com este tipo de “mostra”. Não exagere. Dependendo do que acontece a seguir na história, você pode se prolongada por muito tempo na porta. Talvez Alice não seja o personagem principal e tudo que for mostrado ficará nos holofotes, longe de alguém mais importante. Além disso, mostrar muito pode começar a parecer auto-consciente, como se você estiver brandindo o seu arsenal de símiles e metáforas apenas em partes. Seus personagens podem até desaparecer no processo. Não deixe que seu estilo de prosa sobrecarregue a história que queira contar. Muito a “Contar” pode achatar a sua história. “Mostrar” demais pode subjuga-la. O que um escritor consciente deve fazer?

Uma combinação de ambos.“Mostrar” e “Contar” geralmente produz a melhor descrição:
Combinação: Alice parou à porta do apartamento de Ronaldo, com todo auto-controle de um rato do campo. Com as mãos entrelaçadas na cintura, ela ficou na ponta dos pés e espiou para dentro para ver quem ela poderia conhecer.

A razão pela qual a combinação funciona muito melhor é que um pouco de “Contar” faz a prosa parecer menos difícil. Ao citar a analogia do rato no início, você pode dar a Alice qualidades mais sutiis. , a frase “auto-controle de um rato de campo” sugere um monte de outras qualidades de um camundongo: nervosismo, vigilância, furtividade, . Você não tem que “mostrar” cada um delas. Um par de pequenas mãos postas, postura na ponta dos pés, nos pinta um quadro quase completo. Não negue a seus leitores o prazer de preencher alguns detalhes próprios."

7 comentários:

  1. Adorei esta dica, aí está a diferença de um ótimo escritor para um escritor mediano. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Boa Minha Cara.

    Que post maravilhoso, preciso falar e nem comentar nada, ele fala tudo.

    Parabéns e sucesso.

    Abçs!!

    http://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Adoreiiiiiiiiiiiiiii, muito útil!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Amei! Dica para guardar pra sempre!!!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...